A GUERRILHA

A GUERRILHA
Guerrilha do Araguaia foi um movimento guerrilheiro existente na região amazônica brasileira, ao longo do rio Araguaia, entre fins da década de 60 e a primeira metade da década de 70. Criada pelo Partido Comunista do Brasil (PC do B), uma dissidência armada do Partido Comunista Brasileiro (PCB), tinha como o objetivo fomentar uma revolução socialista, a ser iniciada no campo, baseado nas experiências vitoriosas da Revolução Cubana e da Revolução Chinesa.
Combatida pelo exército a partir de 1972, quando vários de seus integrantes já haviam se estabelecido na região há pelo menos seis anos, o palco das operações de combate entre a guerrilha e o Exército se deu onde os estados de Goiás, Pará e Maranhão faziam fronteira. Seu nome vem do fato de se localizar às margens do rio Araguaia, próximo às cidades de São Geraldo e Marabá no Pará e de Xambioá, no norte de Goiás (região onde atualmente é o norte do Estado de Tocantins, também denominada como Bico do Papagaio). 
Imagem: http://revistaescola.abril.com.br

PRINCIPAIS FATOS SOBRE A GUERRILHA DO ARAGUAIA

Estima-se que o movimento, que pretendia derrubar o governo militar, fomentando um levante da população, primeiro rural e depois urbana, e instalar um governo comunista no Brasil, era composto por cerca de oitenta guerrilheiros sendo que, destes, menos de vinte sobreviveram, entre eles, o ex-presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), José Genoíno, que foi detido pelo Exército em 1972, ainda na primeira fase das operações militares. A grande maioria dos combatentes, formada principalmente por ex-estudantes universitários e profissionais liberais, foi morta em combate na selva ou executada após sua prisão pelos militares, durante as operações finais, em 1973 e 1974. Mais de cinquenta deles são considerados ainda hoje como desaparecidos políticos.
Desconhecida do restante do país à época em que ocorreu, protegida por uma cortina de silêncio e censura a que o movimento e as operações militares contra ela foram submetidos, os detalhes sobre a guerrilha só começaram a aparecer cerca de vinte anos após sua extinção pelas Forças 
Armadas, já no período de redemocratização.
Fonte: wikipédiaÃO DOMINGOS DO ARAGUAIA, Pará (Reuters) - Ocorridos entre 1972 e 1974, os combates entre as tropas da ditadura militar e a guerrilha do Araguaia deixaram cerca de 70 pessoas desaparecidas -guerrilheiros e moradores locais.
Leia abaixo alguns dados sobre o movimento.
* Formada por integrantes do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), a Guerrilha do Araguaia começou a ser estruturada na segunda metade da década de 1960 com o objetivo de combater o regime militar (1964-1985).
* Seus quadros eram compostos por estudantes e profissionais de diversas áreas, como geologia, economia e medicina.
* Por meio de uma luta realizada em área rural de forma semelhante à que ocorreu na China, o objetivo dos guerrilheiros era criar uma zona livre no sul do Pará, mobilizar a população e fazer uma revolução para depor o regime.
* A guerrilha era dividida em três grupos com cerca de 20 componentes cada, os quais eram comandados por uma comissão militar e também se dividiam em agrupamentos menores.
* Chamados na região de "paulistas", os guerrilheiros viviam em meio à população local. Compraram pequenos pedaços de terra, atuavam como comerciantes, na agricultura e na área de saúde.
* Os militantes receberam apoio de diversos moradores do local, mas alguns habitantes da região também colaboraram com as tropas do governo.
* A repressão teve início em 1972, mas foi necessária a realização de três campanhas durante cerca de três anos para desmantelar o comando da guerrilha e perseguir os demais combatentes sobreviventes. Foi a maior mobilização das Forças Armadas do Brasil desde a Segunda Guerra Mundial.

BUSCA POR DESAPARECIDOS
* A partir de 1982, com o início do processo de redemocratização do país, familiares de ex-integrantes do movimento passaram a cobrar na Justiça a localização e recuperação dos restos mortais dos desaparecidos.
* Como não foram atendidos, em 1995 pediram ajuda da Organização dos Estados Americanos (OEA).
* O caso chegou à Corte Interamericana de Direitos Humanos. Em 26 de março de 2009, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA apresentou ao tribunal uma demanda contra o Brasil.
* No dia 29 de abril deste ano, o então ministro da Defesa, Nelson Jobim, assinou portaria criando um grupo de trabalho com a finalidade de localizar, recolher e identificar os restos mortais dos desaparecidos.
* Na portaria, publicada no Diário Oficial, Jobim reconhece que até então as expedições realizadas apresentaram resultados limitados.
* O grupo de trabalho, composto também por representantes dos governos do Pará e do Distrito Federal, é coordenado pelo Exército e receberá o acompanhamento de outros órgãos governamentais e entidades independentes.
* A princípio, o colegiado terá de apresentar um relatório sobre seus trabalhos até o fim de abril de 2010. O prazo, entretanto, poderá ser prorrogado pelo Ministério da Defesa.  
O Globo-18 /06/2009

4 comentários:

Vaildes Sertorio disse...

Que legal! Vocês estão repassando informações importantes sobre a guerrilha,pois esta é uma história pouco conhecida por muitos alunos. Parabéns garotas!
bjs

Guerrilha do Araguaia disse...

Isso mesmo a Guerrilha do Araguaia é uma historia pouco conhecida. Nosso objetivo e torna-la conhecida através do nosso blog.

Vic Zuppa disse...

Bom eu acho está muito bom... se possivel postem o desfecho do conflitos, as caracteristicas fisicas da região onde aconteceram os conflitos, quais dificuldades os guerrilheiros encontraram no espaço geografico para lutar, quais estrategias os guerrilheiros usaram para combater as forças militares... em fim, assim acho que terá mais conteudo e ficará ainda mais interessante!

Por: Victória Zuppa

Guerrilha do Araguaia disse...

Obrigado pelas dicas... Estarei em breve fazendo novas postagens com suas dicas!